sábado, 30 de abril de 2016

Como cientistas criaram por acidente uma bateria que dura a vida toda


Steve Zylius l UCI: Estudante de doutorado Mya Le Thai estava "brincando" com nanocabos quando decidiu usar capa de gel
Estudante de doutorado Mya Le Thai estava "brincando" com nanocabos quando decidiu usar capa de gel.
Criar uma bateria que dure toda a vida parecia algo difícil, mas um grupo de pesquisadores americano conseguiu realizar o feito.
E fizeram isso por acidente.
Cientistas da Universidade da Califórnia, em Irvine, nos Estados Unidos, estavam procurando uma forma de substituir o lítio líquido das baterias por uma opção mais sólida e segura - as baterias de lítio são extremamente combustíveis e muito sensíveis à temperatura- quando acabaram criando esta bateria 400 vezes mais eficiente que as atuais.
Eles começaram a fazer testes com nanocabos de ouro recobertos com um gel de eletrólitos e descobriram que eram incrivelmente resistentes. A bateria podia continuar trabalhando de forma efetiva durante mais de 200 mil ciclos de carga.
Durante muito tempo, os cientistas fizeram testes com nanocabos para baterias.
Isso porque eles são milhares de vezes mais finos que o cabelo humano, altamente condutores e contam com uma superfície ampla para o armazenamento e transferência de elétrons.
O problema é que esses filamentos são extremamente frágeis e não aguentavam a pressão de carga e descarga.
Thinkstock: Maior parte de dispositivos hoje usa baterias de lítio líquido © Copyright British Broadcasting Corporation 
 
Maior parte de dispositivos hoje usa baterias de lítio líquido Mas um dia a estudante de doutorado Mya Le Thai decidiu colocar nestes delicados fios uma capa de gel.
"Mya estava 'brincando' e cobriu tudo com uma fina capa de gel antes de começar o ciclo", explicou Reginald Penner, conselheiro do departamento de química da Universidade da Califórnia em Irvine.
"Descobriu que apenas usando este gel (de eletrólitos) podia submetê-los a ciclos (de carga e descarga) centenas de milhares de vezes sem que perdessem sua capacidade", diz.
Ela fez isso durante três meses.

O problema do ouro

"Isso é incrível porque essas bateria tipicamente morrem depois de 5 mil ou 6 mil ciclos, 7 mil no máximo", acrescenta.
Penner contou à revista Popular Science que, quando começaram a testar os dispositivos, se deram conta de que as baterias não iam morrer.
Os especialistas acreditam que a efetividade da bateria de Irvine se deve ao fato de a substância viscosa plastificar o óxido metálico na bateria e lhe dar flexibilidade, o que evita rachaduras.
Thinkstock: Bateria de Irvine é 400 vezes mais eficiente que as normais © Copyright British Broadcasting Corporation Bateria de Irvine é 400 vezes mais eficiente que as normais "O eletrodo revestido mantém sua forma muito melhor, o que faz com que seja uma opção mais confiável", explicou Thai.
"Esta pesquisa prova que as baterias com nanocabos de ouro podem ter uma vida longa e que são uma realidade", acrescentou.
Segundo o estudo, após submeter a bateria a 200 mil ciclos, ela só perdeu 5% de sua carga máxima.
Mas ainda resta um longo caminho antes que estas baterias comecem a ser vistas em nossos celulares.
Por mais finos que sejam esses filamentos, eles são de ouro, o que faz com que as baterias sejam muito caras para fabricação em massa.
Para solucionar este problema, Penner sugeriu aPopular Science a possibilidade de substituir o ouro por uma metal mais comum, como o níquel.

'Machine learning' may contribute to new advances in plastic surgery


With an ever-increasing volume of electronic data being collected by the healthcare system, researchers are exploring the use of machine learning--a subfield of artificial intelligence--to improve medical care and patient outcomes. An overview of machine learning and some of the ways it could contribute to advancements in plastic surgery are presented in a special topic article in the May issue of Plastic and Reconstructive Surgery®, the official medical journal of the American Society of Plastic Surgeons (ASPS).
"Machine learning has the potential to become a powerful tool in plastic surgery, allowing surgeons to harness complex clinical data to help guide key clinical decision-making," write Dr. Jonathan Kanevsky of McGill University, Montreal, and colleagues. They highlight some key areas in which machine learning and "Big Data" could contribute to progress in plastic and reconstructive surgery.
Machine Learning Shows Promise in Plastic Surgery Research and Practice
Machine learning analyzes historical data to develop algorithms capable of knowledge acquisition. Dr. Kanevsky and coauthors write, "Machine learning has already been applied, with great success, to process large amounts of complex data in medicine and surgery." Projects with healthcare applications include the IBM Watson Health cognitive computing system and the American College of Surgeons' National Surgical Quality Improvement Program.
Dr. Kanevsky and colleagues believe that plastic surgery can benefit from similar "objective and data-driven machine learning approaches"--particularly with the availability of the ASPS's 'Tracking Operations and Outcomes for Plastic Surgeons' (TOPS) database. The authors highlight five areas where machine learning shows promise for improving efficiency and clinical outcomes:
  • Burn Surgery. A machine learning approach has already been developed to predict the healing time of burns, providing an effective tool for assessing burn depth. Algorithms could also be developed to enable rapid prediction of percentage of body surface area burned--a critical piece of information for patient resuscitation and surgical planning.
  • Microsurgery. A postoperative microsurgery application has been developed to monitor blood perfusion of tissue flaps, based on smartphone photographs. In the future, algorithms may be developed to aid in suggesting the best reconstructive surgery approach for individual patients.
  • Craniofacial Surgery. Machine learning approaches for automated diagnosis of infant skull growth defects (craniosynostosis) have been developed. Future algorithms may be useful for identifying known and unknown genes responsible for cleft lip and palate.
  • Hand and Peripheral Nerve Surgery. Machine learning approaches may be useful in predicting the success of tissue-engineered nerve grafts, developing automated controllers for hand and arm neuroprostheses in patients with high spinal cord injuries, and improving planning and outcome prediction in hand surgery.
  • Aesthetic Surgery. Machine learning also has potential applications in cosmetic surgery--for example, predicting and simulating the outcomes of aesthetic facial surgery and reconstructive breast surgery.
The authors also foresee useful applications of machine learning to improve plastic surgery training. However, they emphasize the need for measures to ensure the safety and clinical relevance of the results obtained by machine learning, and to remember than computer-generated algorithms cannot yet replace the trained human eye.
"These are tools that not only may help the decision-making process but also find patterns that might not be evident in analysis of smaller data sets or anecdotal experience," Dr. Kanevsky and coauthors conclude. "By embracing machine learning, modern plastic surgeons may be able to redefine the specialty while solidifying their role as leaders at the forefront of scientific advancement in surgery."
Story Source:
The above post is reprinted from materials provided by Wolters Kluwer Health. Note: Materials may be edited for content and length.

Combination of face-to-face and online bullying may pack a powerful punch


sciencedaily.com

 Victims of multiple forms of bullying have more than twice as likely to show aggressive behaviors such as verbal hostility, physical fighting and damaging property

Center for Advancing Health,
Bullying and taunts that may have once stayed in the schoolyard increasingly spill over into text messages and social media. A new study shows that the combined effect of both face-to-face and cyber-bullying may have a powerful effect on adolescents, more than doubling the odds that victims show aggressive behaviors themselves such as verbal hostility, physical fighting and damaging property.
An abstract of the study, "Increased Risk of Aggressive Behavior among Victims of Multiple Forms of Bullying," will be presented at the Pediatric Academic Societies 2016 Meeting on Saturday, April 30 in Baltimore. Noting that previous studies showed victims of peer aggression are at greater risk for victimizing others, the researchers compared how likely a national sample of adolescents between ages 10 and 17 were to display hostile behaviors based on whether they themselves experienced face-to-face bullying, cyber-bullying, or both.
Overall, 43 percent of the teens in the study reported having been the victim of face-to-face bullying, while 7 percent reported that they experienced some form of cyber-bullying. Teens who were bulled either in person or online were more likely to engage in aggressive behaviors such as physical fighting, damaging property, verbal hostility and coercing peers. But teens who were victims of both face-to-face and cyber-bullying, representing 3 percent of the youth, were more than twice as likely as those experiencing just one form of bullying to engage in aggressive behaviors. Of the teens who experienced both forms of victimization, 38 percent showed aggressive behavior, compared with 15 percent of those who were cyber-bullied and 4 percent of those were victims of face-to-face bullying.
Senior investigator Andrew Adesman, MD, FAAP, chief of developmental and behavioral pediatrics at the Cohen Children's Medical Center of New York, said it was concerning, though not surprising, that victims who had been subjected to multiple forms of peer aggression were at increasingly greater risk of showing aggressive behaviors themselves. "These behaviors may involve retaliatory measures against their aggressors, acting aggressive in order to fend off future bullying attempts, or worse, learning by example and engaging in bullying of previously uninvolved peers," he said.
Principal investigator Alexandra Hua said that with the growing use of cell phones and the Internet among youth, there should be a greater focus on cyber-bullying and these negative "downstream" effects, especially when combined with face-to-face bullying. "Students who are victimized are more likely to exhibit aggressive behaviors towards others," she said. "This phenomenon may lead to a vicious cycle whereby bullies create bullies out of those they victimize."
Story Source:
The above post is reprinted from materials provided by American Academy of Pediatrics. Note: Materials may be edited for content and length.

4 perguntas para entender a máfia da merenda em SP


msn.com
Exame.com Clara Cerioni 2 dias atrás
Pouco mais de dez meses depois que o Ministério Público deu início a uma operação que iria desmantelar o esquema de desvio de verbas nas merendas das escolas em São Paulo, as investigações ainda não avançaram na Assembleia Legislativa do estado.
Até agora, 24 deputados da oposição assinaram o pedido de abertura de uma CPI. Para dar seguimento ao processo, é preciso que mais oito deputados se oponham à decisão da bancada (que tem o PSDB como maioria) e rubriquem essa solicitação.
A Operação Alba Branca começou em junho de 2015 e até agora já prendeu 7 envolvidos. Para a Polícia Federal, o desvio estimado é de R$ 7 milhões.
Fraude nas merendas: "enquanto não alcançarmos justiça continuaremos lutando e resistindo", conta Raissa Lopes, estudante secundarista © André Lopes/EXAME.com Fraude nas merendas: "enquanto não alcançarmos justiça continuaremos lutando e resistindo", conta Raissa Lopes, estudante secundarista
Qual é o esquema?
Para garantir a vitória da Coaf nas licitação, pessoas ligadas à cooperativa criaram outras duas empresas que se cadastravam nos processos. “Os orçamentos já chegavam superfaturados”, explica Alexandre de Moraes, secretário de Segurança Pública de SP, em nota publicada no site da pasta.  
Como funcionava?
Os lobistas seriam Marcel Ferreira Júlio, filho do ex-deputado Leonel Júnior (PSDB), e o vendedor da Coaf César Bertholino. Ambos prometiam um lucro de 5% a 25% no valor total dos contratos. Outras informações foram obtidas por meio de interceptações telefônicas.
Quem se beneficiava?
O deputado Duarte Nogueira publicou, em sua conta oficial no Facebook, que deixaria secretaria em SP por outros motivos fora da investigação e que seu nome já havia sido arquivado das investigações.
Tentamos contato com o ex-chefe de gabinete, mas ele não foi encontrado para se pronunciar.
Quem já foi preso?
Completam a relação Joaquim Geraldo Pereira da Silva (empresário de Campinas), Carlos Eduardo da Silva (ex-diretor da Coaf) e Luis Carlos da Silva Santos (ex-vendedor da cooperativa).

Pizzolato: de diretor do Banco do Brasil a auxiliar de pedreiro




VEJA.com VEJA 6 horas atrás

Programas sociais de Temer vão focar os ‘5% mais pobres’


msn.com


Murilo Rodrigues Alves, Adriana Fernandes 2 dias atrás
O vice-presidente Michel Temer pretende reformular as principais vitrines do governo PT para aumentar os benefícios à camada mais pobre da população, caso assuma a Presidência se o afastamento da presidente Dilma Rousseff for aprovado no Senado. O foco nos mais pobres abrirá espaço no Orçamento da União para dar o reajuste a uma parcela do Bolsa Família e relançar o Minha Casa Minha Vida e o Pronatec, duas das principais bandeiras da presidente.As propostas estão no documento “A Travessia Social”, formulado pela Fundação Ulysses Guimarães, ligada ao PMDB, ao qual o Estado teve acesso. As diretrizes só serão divulgadas no site da fundação na próxima segunda-feira.O objetivo de um eventual governo Temer na área social é elevar o padrão de vida dos 5% mais pobres do País, que correspondem a 10 milhões de pessoas. Para essa parcela da população tem sido mais desafiador promover a inclusão social e produtiva, diz o documento, cheio de críticas à forma como o governo Dilma conduz os programas sociais.“Também há compatibilidade entre políticas sociais destinadas às camadas mais pobres da população e equilíbrio fiscal. É preciso dizer que nem todas as políticas sociais no Brasil têm seu foco nos grupos sociais mais carentes”, afirma o documento. A expansão do sistema de proteção social para os 10 milhões de brasileiros que compõem os 5% mais pobres deve ser feita por meio do Bolsa Família, que seria mantido.Atualmente, o programa contempla cerca de 14 milhões de famílias. O governo gasta, em média, R$ 2,3 bilhões por mês com o projeto de transferência de renda, com o valor médio de R$ 163,57 por família.Para o PMDB, a camada situada acima do limite de 5% até o de 40% mais pobres está “perfeitamente conectada à economia” e deve ter benefícios como uma eventual retomada da atividade econômica. Para esses trabalhadores, um eventual governo Temer deve criar um “abrangente programa de certificação de capacidades”. Segundo o documento, o ideal seria garantir a cada trabalhador com carteira assinada ou no mercado informal o direito de uma formação por ano. Esse “cupom de qualificação” poderia ser usado como um ativo para aqueles que procuram emprego e uma ferramenta para melhorar a renda dos que já têm emprego por meio do ganho de produtividade.PronatecSobre o Pronatec, o Travessia defende que se avalie se os cursos oferecidos representaram efetivamente uma melhoria real do emprego e da renda do trabalhador, em vez de se verificar se o número de matrículas foi alcançado em cada período. Segundo o documento do PMDB, isso nunca foi feito. O partido prevê relançar o Pronatec “revigorado”, focado em cursos que atendam às necessidades dos mercados locais. “O colapso fiscal do Estado está matando um programa correto e produtivo”, diz o documento. Conforme o texto, as matrículas despencaram em 2015 para 800 mil depois de atingir mais de 2 milhões no ano anterior. Os treinamentos em 2015 foram executados pelo Sistema S, mas a União não desembolsou efetivamente todos os recursos, o que resultou numa dívida pendente de R$ 2 bilhões. Minha CasaEm relação ao Minha Casa Minha Vida, o documento diz que é preciso relançá-lo, tendo como prioridade os mais pobres. O PMDB afirma que o objetivo é fazer com que o programa, que está praticamente parado, volte a ser uma prioridade. “O MCMV foi abandonado pelo governo atual, deixando um rastro de investimentos frustrados na indústria da construção e um déficit habitacional crescente nas periferias”, critica. Segundo números do documento, ao permitir o “descalabro fiscal”, construído em anos de negligência, o governo federal assiste ao esvaziamento do programa, com impacto na criação ou manutenção de 1,7 milhão de empregos diretos e indiretos. Estimativas do partido afirmam que, por ano, 1,3 milhão de novas famílias acaba se instalando em habitações precárias em áreas não completamente urbanizadas. O déficit acumulado projetado pelo partido é de 6 milhões de habitações sem os padrões adequados.O texto destaca, porém, que uma agenda social deve conter, em primeiro lugar, crescimento econômico, redução da inflação às metas do Banco Central e volta do equilíbrio fiscal.'Travessia social'Princípios do documento elaborado pelo PMDB que vão nortear as ações de um eventual governo Temer na área social:-  ‘Bolsa Família’Elevar o padrão de vida dos 5% mais pobres – o equivalente a um total de 10 milhões de  pessoas -   HabitaçãoRelançar o programa habitacional Minha Casa Minha Vida, tendo como prioridade a população mais pobres. -  Emprego“Revigorar” o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), focado em cursos que atendam as necessidades dos mercados locais. -  CapacitaçãoCriar um programa de certificação de capacidades – cada trabalhador terá direito a uma formação por ano.

Mais de 90 mil estudantes já fizeram o simulado do Enem na internet


msn.com


 
Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil* 13 horas atrás
internet 

  © 31 20:13:45 internet
Mais de 90 mil estudantes já fizeram hoje (30) o simulado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pela internet, no portal Hora do Enem. O teste está disponível para os 2,2 milhões de estudantes do último ano do ensino médio. As inscrições e o início do teste podem ser feitos até as 20h de hoje. O resultado e o gabarito serão divulgados ao final do exame.
Segundo o Ministério da Educação, 350 concluintes do ensino médio se inscreveram para fazer o simulado, 50 mil só hoje, até o meio-dia. O aluno tem quatro horas para realizar o exame, que tem 80 itens, com a mesma metodologia de elaboração de questões do Enem. O conteúdo é composto principalmente por assuntos vistos nas escolas até abril.
Na hora de se cadastrar, o estudante informa o seu objetivo ao fazer o Enem e a plataforma já disponibiliza um plano de estudos para que ele alcance aquela meta. O resultado do simulado mostrará como está o desempenho do aluno em relação ao curso que pretende fazer.
Este é o primeiro simulado online do Enem. Pelo menos mais três serão feitos até a data do exame, nos dias 25 de junho, 13 de agosto e 8 e 9 de outubro. Os últimos exames serão no mesmo formato do Enem e terão dois dias de duração, mas não haverá simulado da redação.
A partir de segunda-feira (2), o MEC também vai disponibilizar a plataforma Mecflix, com 1,2 mil videoaulas para ajudar nos estudos.
O Enem de 2016 será nos dias 5 e 6 de novembro e as inscrições estarão abertas de 9 a 20 de maio.
*Colaborou Mariana Tokarnia

Saúde faz Dia D de mobilização contra a gripe e inicia a campanha de vacinação


msn.com


Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil 18 horas atrás
Recife - Pernambuco antecipou o início e começou hoje a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe (Sumaia Villela/Agência Brasil) 

  © Sumaia Villela/Agência Brasil Recife - Pernambuco antecipou o início e começou hoje a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe (Sumaia Villela/Agência Brasil)
A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe começa oficialmente hoje (30) com a realização, pelo Ministério da Saúde, do Dia D de mobilização. Devem receber a dose crianças com idade entre 6 meses e 5 anos, gestantes, idosos, mulheres com até 45 dias após o parto, pessoas com doenças crônicas e profissionais de saúde. Povos indígenas, pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional também serão imunizados.
A meta do ministério é vacinar pelo menos 80% de um total de 49,8 milhões de pessoas. A escolha dos grupos prioritários, segundo a pasta, segue recomendação da Organização Mundial da Saúde e é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias. “São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias”, informou.
O envio das doses pelo governo federal começou no dia 1º de abril e pelo menos 22 estados decidiram antecipar o início da vacinação. Nas quatro primeiras remessas (até o dia 22 de abril), os estados receberam 30,7 milhões de doses – 57% do total a ser enviado para a campanha deste ano. O ministério informou que mais duas remessas contendo o restante do quantitativo devem ser enviadas nas próximas semanas.
A previsão é de que, até o dia 6 de maio, 100% das doses tenham sido entregues em todo o país. Serão distribuídas, ao todo, 54 milhões de doses que protegem contra três subtipos do vírus da gripe – A (H1N1), A (H3N2) e influenza B. Em todo o país, 65 mil postos de vacinação vão funcionar durante a campanha, que segue até o dia 20 de maio e conta com a participação de 240 mil profissionais de saúde.
Em entrevista a emissoras de rádio durante o programa Brasil em Pauta, o secretário de Vigilância em Saúde, Antônio Nardi, disse ontem (29) que não há risco de faltar dose para os grupos que fazem parte do público-alvo. Ele lembrou que muitos estados e municípios optaram por antecipar o início da distribuição das doses e, por essa razão, em algumas localidades onde foi registrado alto índice de cobertura vacinal, os postos de saúde não vão funcionar hoje.

Temer quer fim de recesso para acelerar impeachment


msn.com


Adriana Fernandes, Murilo Rodrigues Alves e Ricardo Brito / BRASÍLIA 18 horas atrás
Mesmo antes da votação pelo Senado do afastamento da presidente Dilma Rousseff, interlocutores do vice-presidente Michel Temer começaram a articular com parlamentares a suspensão do recesso parlamentar do meio do ano. O objetivo é acelerar o julgamento final da petista pelo plenário e tentar votar o máximo do pacote de medidas econômicas que deverá ser encaminhado pelo peemedebista ao Congresso até o início da campanha eleitoral nos municípios, prevista para começar em 16 de agosto.A iniciativa de aliados de Temer poderia encurtar em pelo menos 15 dias o prazo para o julgamento de Dilma, previsto inicialmente para ocorrer em setembro. Em caso de afastamento da presidente, que pode ser aprovado em 11 de maio, o vice assume o comando interino do País por até 180 dias, período em que ela será julgada pelos senadores.A ideia do grupo de Temer é acelerar esse processo de forma a antecipar o prazo para que, em caso de afastamento definitivo de Dilma, o vice seja confirmado como titular da cadeira presidencial. Dessa forma, dizem peemedebistas, a realização do recesso parlamentar ajuda Dilma a ganhar prazo, porque a Comissão Especial do impeachment teria que suspender os trabalhos.Procurado pelo Estado, o presidente do colegiado, Raimundo Lira (PMDB-PB), disse que não foi requisitado para falar sobre o assunto. “Não tenho nenhuma informação a esse respeito”, afirmou.Crescimento. Aliados do vice também consideram que a suspensão do recesso de julho é condição indispensável para se aprovar medidas que poderão garantir a retomada do crescimento. As costuras políticas para viabilizar essa estratégia já começaram e a expectativa é de que, com uma adesão maior dos parlamentares ao “plano Temer”, seja possível costurar um acordo. A argumentação parte do princípio de que há urgência para impedir que a atividade econômica seja ainda mais afetada pela crise política que se arrasta desde o ano passado e que contribui para o agravamento da recessão.Um dos projetos que os aliados de Temer querem aprovar no Congresso para reanimar a economia é a convalidação dos incentivos fiscais concedidos pelos Estados às empresas com o Imposto de Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS). Esses incentivos foram dados no passado para favorecer a instalação de indústrias, mas foram considerados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal (STF).Hoje, esses incentivos geram insegurança jurídica para as empresas e atrapalham os investimentos porque as companhias beneficiadas podem ter de compensar o benefício que ganharam durante esses anos. Essa convalidação também é importante para a prometida reforma do ICMS que prevê a unificação das alíquotas de todos os Estados.Partilha. Outra proposta que se deseja acelerar é a que trata do uso do regime de concessão para a exploração da camada do pré-sal. A medida é polêmica por mudar o marco exploratório inaugurado nas gestões petistas, o regime de partilha. Essa discussão também pode envolver a proposta do senador José Serra (PSDB-SP) que, embora mantenha o regime de partilha, acaba com a obrigatoriedade de a Petrobrás participar de todos os leilões de exploração do pré-sal.Um dos problemas a ser administrado por aliados de Temer é que, em razão de 2016 ser um ano de eleição municipal, os parlamentares tradicionalmente abandonam o Congresso no segundo semestre até a votação de outubro. No máximo, ocorrem semanas de esforço concentrado de votação.Convocação. O caminho para se suspender o recesso ainda não está fechado. Uma das ideias é realizar uma convocação extraordinária das duas Casas Legislativas no meio do ano, que pode ser convocada pelo próprio Temer com o aval da maioria da Câmara e do Senado. Outra é não votar o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2017, pré-requisito para os parlamentares entrarem em recesso no meio do ano. Contudo, essa saída não está fechada porque a eventual equipe econômica de Temer pode usar essa peça orçamentária para sinalizar sua estratégia de política fiscal para o próximo ano.A LDO orienta a formulação do projeto de lei orçamentária e contém a meta fiscal que o governo perseguirá em 2017 e a trajetória para os anos seguintes.A proposta também traz projeções do Produto Interno Bruto (PIB), inflação e salário mínimo. A equipe de Dilma já enviou uma proposta prevendo um déficit de R$ 65 bilhões, mas o time de Temer deve reformular o projeto.TRAMITAÇÃOConvocação do Congresso Nacional O Congresso pode ser convocado, em sessão extraordinária, a pedido do presidente da República, dos presidentes da Câmara e do Senado ou por meio de requerimento da maioria dos integrantes de ambas das Casas Legislativas, em caso de urgência ou de interesse público relevante. Aprovação Para tanto, é preciso a aprovação da maioria absoluta de cada uma das Casas Legislativas (ao menos 257 deputados e 41 senadores). No ano passado, como não houve votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2016, os parlamentares não poderiam entrar em recesso oficialmente. Contudo, eles fizeram um recesso “branco”, em que pararam por 15 dias as atividades. Calendário11 de maioVotação do processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff pelo plenário do Senado, por maioria simples.17 de julho a 1º de agostoPeríodo do recesso parlamentar do meio do ano previsto na Constituição.16 de agostoInício da propaganda eleitoral, quando a campanha propriamente dita começa.2 de outubroPrimeiro turno das eleições municipais.

Mobile roaming charges explained



Click to access Link

2015 was supposed to be the year when roaming charges for using your handset in Europe disappeared forever.

Disappointingly, that didn’t happen. After the EU decided to drag its heels, they're now not due to be scrapped until 2017.
Worryingly, however, the message that roaming charges still apply doesn’t seem to have reached consumers, leaving them at serious risk of racking up huge bills.
To make sure you’re not among those hit with a bill that puts a dampener on even the sunniest getaway, we’ve compiled an up-to-the-minute guide to international roaming.
what are roaming charges?

What are roaming charges?

As it stands the minute your phone has been detected on an overseas network, expensive roaming rates will start kicking in.
Even if you're careful with your mobile phone abroad and avoid making unnecessary calls, you can still be charged simply to receive a call or pick up a voicemail message.
If you pick up voicemail while your phone is registered overseas, not only are you charged an overseas rate for the message being left, but you will be charged again to pick the message up.
But more expensive charges generally apply with data, so it's especially important that you're careful with your mobile internet use and keep streaming and downloads to reasonable levels.
As of April 30th 2016, charges will be capped at €0.05 per minute for outgoing calls (about 3p) and €0.014 per minute (less than a penny) for incoming calls.
Texts will be capped at €0.02 per message (about a penny) and data at €0.05 per megabyte (once again, about 3p).

What can I be charged for?

A uSwitch study found that out of 91% of you who take your mobile phones on holiday, 85% aren't sure of what you're being charged to use it.
While most of you are aware that making calls abroad can end up costing a lot, over 4 in 10 people have been shocked by expensive post-holiday phone bills.
If you do find you need to make phone calls abroad, the roaming costs can be hefty.
EU guidelines have however progressively capped the maximum amount a mobile phone provider can charge for services in Europe, with the result that they're rapidly coming down and, as mentioned above, will disappear completely in 2017.

Roaming charges: what happens next?

Although roaming charges are here to stay for now, it’s not all bad news.
Measures have been taken to at least protect consumers from roaming charges, with the news that networks are likely to be asked to provide customers with a limited allowance to use abroad free of charge.
After travellers exceed that allowance, though, charges will apply.

How to avoid roaming charges

what does data roaming cost?
Keep roaming charges to a minimum by following our travellers tips.
1) Use free Wi-Fi whenever you can
Many hotels and café chains now offer wireless internet free of charge.
It’s worth nothing however, that some only offer the service free for a limited period after which time charges apply.
Of course, you should also be aware that WiFi only extends to certain areas of a hotel, such as the lobby or a bar.
So if you’ve got roaming switched on, you could automatically be transferred to a carrier service without warning.
2) Check if your network offers a roaming add-on
Most carriers now offer the chance to pay a little bit extra and get an add-on that will provide you an allowance of data, texts and minutes to use abroad. If you pay for these, you’ll only pay the price of the add-on and won’t be liable for charges outside that.
If you’re not sure what your network offers for roaming add-ons, ring them and they’ll be able to advise you.
3) Don’t opt out of your networks’ usage caps
After years of reports of bill shocks in newspapers, all UK networks except EE and T-Mobile now enforce an automatic cap on data usage worldwide. This typically comes in at between £40 and £49.
It’s easy to opt out. You just have to make a phone call. But we recommend you don’t, or risk losing track of your spending and usage.
4) Consider buying a local SIM
To keep the cost of calls and texts messages down, it’s a good idea to buy a local SIM card and top up with pay as you go credit.
To use a local SIM, though, you’ll need an unlocked handset.
5) Check whether your destination is bound by EU regulations
It might surprise you which countries aren’t bound to abide by EU usage caps. Turkey, Northern Cyprus and Egypt are all popular destinations that are outside the EU.
Charges in Switzerland also vary on a network to network basis.

What does my network offer for international roaming?

Most UK carriers now offer add-ons or sweeteners that make it much cheaper to use your phone overseas.
And in the case of Three, even allow you to use your phone with your UK allowances for no extra charge.

Three

what is roaming
Does Three cap your usage?
Three applies a worldwide data roaming cap of £41.29 per month. That covers data alone.
No cap exists for calls and texts because Three customers can use their UK allowances with the Feel at Home add-on, which we explain in more detail below.
What money-saving add-ons are there?
Three’s Feel at Home scheme lets you use your phone abroad in 18 locations for no extra cost.
Among them are Australia, USA, Switzerland, Spain, Hong Kong, Indonesia and New Zealand.
Three phones are automatically set up for Feel At Home.

EE

roaming charges
Does EE cap your usage?
EE customers cannot use data overseas unless they sign up for a data roaming add on. For that reason, no data cap is applied.
Calls and text charges are also not capped.
What money-saving add-ons are there?
EE customers can get unlimited texts and calls abroad in a selection of European countries for £2 per day.
A daily allowance of 50Mb of data in the same locations is £3 per day.
For heavier users, EE offers the Euro Pass, which provides unlimited roaming calls and texts for £4 per day.
It also includes 100MB of 4G data (rising to 500MB per day from 11th May 2016), with the option to use a limited 3G allowance for messaging, browsing and email thereafter. However, it's worth nothing that this extra 3G usage can't be used for streaming or downloading.
There's also the Euro Data Pass for customers who are on EE Extra tariffs. They automatically get unlimited texts and minutes in the EU as standard with their tariff. Priced £3 per month, the Euro Data Pass provides 100MB of 4G data per day too.
Once this is used up, they can continue using data at 3G speeds, with a limit of up to 400MB per day.

O2

roaming costs
Does O2 cap your usage?
Within the EU, O2 caps data use at £48. Spending on data for customers travelling outside Europe is capped at £40 per month.
You can raise the cap to £120 per month, however, by texting DATALIMIT200 to 23336.
What money-saving add-ons are there?
Add an O2 Travel add-on to your bundle and you get unlimited data to use within the EU for a daily outlay of £1.99.
This also allows customers to make and receive calls within Europe for 50p per call and talk for up to 60 minutes for no extra charge. Text messages with an O2 Travel add-on are free to receive and 5p to send.

Vodafone

mobile roaming
Does Vodafone cap your usage?
Vodafone customers who travel inside and outside the EU are automatically opted in to a monthly data-spending limit of £41.29. This does not include calls and texts.
What money-saving add-ons are there?
Vodafone’s WorldTraveller scheme lets pay monthly subscribers use their UK calls, text and data allowances while they’re abroad for an additional daily charge of £5 per month.
Some of the locations included in its WorldTraveller zone are Australia, India, USA, South Africa and New Zealand.
The EuroTraveller add-on works in the same way but for destinations in Europe. Priced £3 per day, it allows subscribers to use their UK minutes, calls and data within the EU.

Virgin Media

what is roaming
Does Virgin Media cap your usage?
Virgin Media caps data spending outside the EU at £45. This is solely for mobile internet and doesn’t include texts and calls.
Within the EU, a cap of 50 Euros (around £35) on data spending is applied.
What money-saving add-ons are available?
Virgin Media customers travelling within the EU need a Travel Pass add-on to use mobile data.
These are available in 10MB, 50MB and 250MB denominations and are priced £1.50, £6 and £20 respectively. These last for 30 days.
Want to know more about tariffs too? Get all the information you need here: Guide to mobile phone tariffs